17 de nov de 2010

MÁSCARAS QUE CAEM

Hoje o tema que resolvo abordar  já foi amplamente discutido por filósofos, antropólogos, sociólogos, psicólogos e a sociedade volta e meia discute que é a questão da violência. Desde que o mundo é mundo o Homem convive com tal realidade. Vimos ao longo da história da humanidade grande exemplos do mal e da brutalização do Homem. O cinema retrata com fidelidade muitos momentos da História narrando a sociedade e o tamanho da brutalidade que o um indivíduo é capaz de produzir e sofrer. O foco da postagem não é fazer uma relato acerca das atrocidades cometidas pela humanidade ao logo dos tempos, mas lançar aqui uma reflexão acerca da violência que vemos e somos sumetidos todos os dias. A os que preferem desligar a TV na hora do noticiário pois não querem sentir-se influenciados pela quantidade absurda de notícias ruins. Alguns optam por assistir a um filme, outros ouvem música, vão ler um livro, ou navegar nos mistérios e supresas da internet, mas lhes pergunto: até onde podemos fugir da realidade cruel que salta de nossas tvs e invade nossos lares?
Alguns me questionam aonde vai parar as maldades da Léia (meu primeiro conto)? E vos digo: não sei, a maldade tem freios? Existe um ponto que a maldade cessa? E a bondade? Fico pensando se de fato o tal antagonismo criado pelas novelas e filmes existe realmente. O MAL X BEM? Existe de fato, ou foi criado pela sociedade para poder mostrar aos leigos as diferenças entre um e outro? Talvez a maldade e bondade coexistam dentro de um indivíduo e alguns preferem exercitar mais um lado do que o outro. Quando produzi a Léia quis de uma certa forma usá-la como instrumento de crítica a esta sociedade que vivemos e que massacra e desmistifica todos os conceitos que criamos quando éramos crianças. Dei vida a uma mulher atormentada e vingativa para fazer uma crítica velada a doentia sociedade da qual faço parte. A loucura de Léia foi produzida por conta de seu passado traumático e assim como ela, vemos o mundo agonizando, gritando por socorro e não encontra a tal mão estendida. A maldade nos choca, mas impressionantemente estamos conseguindo (ou fingindo conseguir) nos "acostumar" com as mazelas da vida, as mazelas de um mundo muito cruel e extremamente doente.
O blog é além de tudo um espaço para reflexão, para discutimos acerca do belo,feio, essencial e o fútil, a tudo aquilo que faz parte de cada um de nós, mas o convite de hoje é para refletirmos  não sobre a maldade instituída, formalizada, dos noticiários, das constantes guerras, do tráfico, da corrupção, dos vícios, das injustiças, mas da maldade mascarada, a maldade da hipocrisia, das verdades não ditas, das maledicências nos ambientes corporativos, nas repartições públicas, do bullying nas esolas que vai roubando a alegria de milhares de jovens e crianças em volta do globo, a maldade velada que se faz de boazinha e que envena pessoas e destrói lares, da agressão contra o gay, nordestino,judeu, negro, a mulher que apesar de todos os avanços que conseguiu ao longo de décadas de muitas lutas e desafios ainda precisa ter uma justiça mais eficiente e solidária com sua dor. A mulher que é agredida que não encontra defesa quando vai depor na delegacia, o gay que é agredido brutalmente em plena Av.Paulista  e não vê o Estado a seu favor porque seus agressores tem dinheiro e poder, do negro que é preterido em uma vaga de emprego apesar de possuir qualificação suficiente, o nordestino que contribuiu e continua contribuindo para o desenvolvimento do nosso páis e etc.
O tema de hoje é espinhoso, desagradável, mas nem sempre é possível falar apenas das flores, da natureza, de filmes, de baladas, poesia, porque a realidade, a vida é muito dura para passarmsos uma borracha no que é desagradável e empurrarmos a sujeira para debaixo do tapete.
Convoco a todos os amiigos que deixem seus depoimentos, seus comentários dizendo o que pensam desta sociedade doentia e louca da qual fazemos parte. Quero acreditar que o bem vence o mal sim, que toda atitude minha  gerará uma resposta do Universo. Não consigo acreditar que alguém que faz o mal consiga ter um final feliz, não consigo acreditar que energias ruins não gerem frutos ruins. Prefiro acreditar que todo o bem e todo o mal que eu fizer terá reflexo em minha vida. As máscaras caem e não há mentira que perdure para sempre, a verdade vem á tona e o bem prevalece.

11 comentários:

  1. !As máscaras caem e não há mentira que perdure para sempre." Vc disse tudo ... O homem, pelo bem ou pelo mal aprenderá a ser verdadeiramente humano ... pode demorar mas aprenderá ...
    Agora, mais especificamente qto às agressões homofóbicas, grande parte da culpa cabe a nós mesmos com nossa omissão, nosso comodismo e nossa falta de motivação para lutar de peito aberto por nosso direitos ... qdo digo luta é luta mesmo ... consciente e engajada ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. de fato querido quem faz o bem traz o bem mas a questao de homofobia é outro assunto. essa é uma culpa nossa que nao lutamos para consquistar nosso espaço que preferimos rir da bixinha do lado esquecendo a bixinha que tem dentro de cada um de nós

    ResponderExcluir
  3. Queridos:

    Paulo - Falta engajamento em tudo mesmo, cabe a cada um de nós procurar fazer a sua parte. Abraços e obrigado pelo carinho de sempre.

    Serginho - Concordo com você, as pessoas não lutam como deveriam, talvez os que as motive são vontades eleitoreiras, mas qualquer um que sofre violência física ou psíquica sabe a dor da injustiça. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Da onde eu venho, o mal sempre vence.

    Essa história que o bem sempre vence no final é uma coisa que a gente agrega muito de contos e histórias. Mas não adianta.

    O mal é sempre mais forte. E no fim, o mal sempre prevalece. O mal tem mais recursos, sabe lidar com situações adversas da forma que for necessário, enquanto o bem se limita a seguir protocolos. Não tem como vencer sendo tão tacanha. Se o bem deseja vencer o mal, tem que deixar esse pragmatismo de lado e começar a cortar as cabeças. O que mais teve também na história foi gente cortando cabeças em nome do bem. Bom, e não é zelar pelo bem se livrar de pessoas malignas?

    Claro, assumindo que bem e mal exista XD

    Um beijo Edilson!

    ResponderExcluir
  5. Acredito que tudo que plantamos um dia colheremos ,é a lei da vida....
    Adorei seu blog,gosto de assuntos inteligentes que podemos dar uns pitacos...
    Beijão...Sol.

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Peço desculpas por não argumentar. Em outra época eu até acreditaria que o bem sempre vence, mas estou numa fase descrente da vida em que estou questionando muita coisa. Enfim, o assunto é complexo. Se me perguntasse há 1 mês atrás eu responderia que o bem sempre vence, mas agora eu não sei. Às vezes me parece que certas coisas foram plantadas para serem injustas e estúpidas.

    Beijo.!!! Bom post!

    ResponderExcluir
  7. O que fazemos volta com certeza, seja o bem ou o mal. O grande problema da maldade do mundo são as pessoas, no dia q as pessoas morrerem todas a maldade acaba tb!
    Infelizmente!
    Abraçoooo!

    ResponderExcluir
  8. Queridos:

    Lobo - Acho que tudo que disse é pertinente e ético, mas acho que existem 3 vertentes dentro deste pensamento : os otimistas, os pessimistas e os realistas...rs. A realidade é dura, é cruel mesmo, mas tb acho que cada um de nós responde pelas próprias atitudes e precisamos em algum momento escolher tomar partido em alguma posição. Abraços.

    Solange - Obrigado querida fico muito feliz com seu comentário. Como sempre digo aqui é uma espaço megademocrático e acolho sempre com muito carinho elogios e críticas. Como dizia Nelson Rodrigues: "toda unanimidade é burra"...rs. Beijooo e volte sempre.

    Três Egos - Esta questão de bem e do mal é uma questão pessoal, da maneira como cada indivíduo lida com as adversidades e toda a problemética da vida. Um assunto espinhoso e polêmico, o importante é discussão que leva a reflexão. Abraços queridão e venha mais vezes...anda muito sumido hein...rs.

    ResponderExcluir
  9. Olá!!
    Li seu texto e nao poderia deixar de comentar. Nao podemos acreditar no mal. Acreditar é dar forcas. O mal é passageiro. Temos que acreditar no bem. Lutar pelo bem, divulgar o bem. Sejamos exemplos e outros nos seguirao. O que nao podemos é deixar as forcas se esvaírem, ligando-nos mentalmente com os que praticam o mal.
    Um grande abraco e um feliz final de semana!

    ResponderExcluir
  10. Querida Márcia:

    Seja muito bem-vinda. Acho que todos nós precisamos nos focar no amor e somente nele se quisermos de fato almejar um futuro mais feliz para a humanidade. São atitudes individuais como a sua, a minha e do nossos semelhantes que tem a capacidade de transformação. Vamos semar amor sempre. Bjão e lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  11. Ei querido, não tinha lido esse seu post, sensacional! Infelizmente a cada dia que passa assistimos atrocidades em cima de atrocidades em crianças, mulheres, negros, homossexuais, judeus, pobres, enfim, SERES HUMANOS e é tudo muuuuito triste, mas o pior é que tudo isso acontece por que a impunidade, principalmente em nosso país, é assustadoramente verdadeira...
    Beijo, beijo e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.