15 de fev de 2013

MENOS DRAMA E MAIS PÉ NO CHÃO

 
De uns tempos para cá venho acreditando profundamente nesta máxima: “Quanto maior a expectativa, maior a frustração”. Tenho certeza que quando nosso olhar muda diante de certos acontecimentos da vida, começamos a enxergar as coisas com mais clareza e honestidade. Acho uma grande perda de tempo e energia simplesmente criar uma fantasia, uma projeção de nossas expectativas em relação a qualquer coisa que nos cerque. Simplesmente porque não somos, os outros também não são e não vivemos em perfeição. Quando deixamos de acreditar tanto nestas fantasias que criamos para “facilitar” as nossas próprias existências, começamos a ter os pés mais firmes e presos ao chão.
 
Por que eu volto a abordar este tema? Porque sinto que muitas pessoas ainda continuam com aquele velho papinho: “eu sou tão legal e sempre me ferro”,”eu sempre fui tão incrível, por que isto está acontecendo comigo? “ " fulano, beltrano e cicrano me magoaram tanto”...enfim aquela ladainha de sempre e lhes digo uma coisa: tudo é aprendizado. A gente nunca ia aprender a levantar se não caísse, a gente não seria mais forte se não levasse pelo menos uma vez na vida uma/s rasteira/s, sofresse um/uns golpe/s, algum “amigo” nos decepcionasse, sofrêssemos uma desilusão amorosa. Algumas pessoas ainda insistem em dizer que são infelizes no amor porque o namoro, casamento, caso... whatever, acabou depois de uns 5, 10, 20 anos, mas eu lhes pergunto: Esta pessoa não teve a possibilidade de se relacionar por este X tempo? Então valeu a pena sim, foi feliz sim e aproveite esta situação para agradecer a oportunidade de ter tido esta experiência.
 
Ninguém disse que seria eterno, ninguém te iludiu, te enganou, acabou porque tinha que acabar. As coisas começam e acabam, ás vezes sem grandes explicações. Eu mesmo já vivi histórias de amor que julgava serem eternas e num belo dia me vi sozinho tentando remendar o que havia sobrado de mim e da historia que havia criado em minha imaginação. Hoje em dia em compreendo melhor as coisas. Tudo tem seu momento certo. Alguns se doam muito (meu caso...rs), outros pouco, outros nem sabem o que é se doar e isto precisa ficar bem claro. Algumas pessoas vivem reclamando do parceiro, exigindo mais carinho, amor, atenção, dedicação, mas chega um determinado estágio da vida que a ficha cai e a gente compreende que cada um dá aquilo que possui. Não adianta você exigir algo, tem que vir (ou não) de forma espontânea e natural. Você só será capaz de doar alguma coisa quando teve na infância um referencial familiar de doação. Quem nunca recebeu não tem referencial de doação.
 
Esta frustração que muitos acalentam no peito talvez seja fruto de uma sociedade que exige que todos sejam profundamente felizes e realizados. È o que eu costumo chamar de ”felicidade miojo” em 5 minutos está pronta, ou o seu dinheiro de volta. Na vida real tudo é bem mais complexo que um comercial de margarina. A gente vê uma felicidade tão plastificada que a mídia insiste em propagar aos 4 cantos, mas ninguém explica e fala que esta tal plenitude emocional, afetiva, financeira e familiar ás vezes nem chega. Alguns se sentem mais realizados que outros e isto é ponto pacífico. Não adianta a gente querer viver a vida do outro, nem a felicidade alheia. A grama do vizinho pode ser mais verde que a sua sim, e daì? Vai se matar por causa disso???rs
 
 
Tem pessoas que passam pela vida sem conhecer o amor sim, tem pessoas que não tem oportunidade de amar e serem amadas, isto é um pouco trágico, porém real, não adianta ficarmos dourando a pílula. Alguns simplesmente não nasceram para o amor carnal, alguns desenvolvem outros tipos de amor, enfim existe sim a frustração para um grupo de seres humanos, mas isto não quer dizer que você não pode fazer nada para melhorar, busque alternativas, auto-conhecimento sempre é algo muito bacana ( eu mesmo andei revendo muitos conceitos e valores do ano passado pra cá), procure atividades que lhes dêem prazer (fora o carnal, bandu di mente suja..hahaha). Comecei a pintar e está me fazendo um bem danado.

 
Quando a gente aprende a lidar com ansiedade, se frustra menos, espera menos do amanhã. Fique mais atento ao seu presente porque ele sim é o mais importante. O ontem já nos escapou das mãos e não temos controle sobre o futuro ( Sò Deus sabe o que virá), portanto valorize o HOJE, O AGORA e está de bom tamanho.
 
 
Beijos meus amigos queridos, domingo se Deus quiser tem a continuação de Farsantes, acompanhem...rs
 
Obs: Imagem retirada do Google. (Kortajarena o modelo do Lua...rs).
 

20 comentários:

  1. olá Edilson como vai?
    primeiramente devo dizer que aquele gif do gatinho de óculos é altamente-hipnotizantemente-fofo *.*

    agora sobre seu texto (é incrível como durante a leitura é possível rever e sentir vários acontecimentos e aspectos distintos de um mesmo assunto - daria algumas horas de conversa em algum barzinho rsrsrs)alguns pontos são realmente máximas dos dias de hoje a começar pela felicidade fast food.

    Veja bem eu como Farmacêutico me assusto com a quantidade e frequência que os medicamentos anti-depressivos são prescitos e utilizados! Todos e em todas (eu disse TODAS) as idades cada vez mais e mais sentem medo não serem felizes e tentam se "salvarem" na medicação (medicação que na maioria das vezes nem era realmente necessária).

    Eu creio que essa geração pós anos 2000, geração inicio do sec. XIX é uma geração emocionalmente vítria, daquelas que se quebram ao menor indicio de insatisfação/infelicidade.

    Acredito que felicidade é um estado de espírito e não uma constante, até prq ninguem em homeostase produz tanto neurotransmissores dopaminérgicos afim de manter e sustentar um felicidade permanente (a menos que sobre efeito de drogas claro)

    Agora sobre a criação de expectativas, fantasias e possiveis frustrações sobre as progessões amorosas tbm acredito que é vivendo que se compreende (ou pelo menos se tenta :D)

    Nada dura pra todo sempre nem mesmo a paixão, afinal como já sabiamente foi dito "que não seja imortal, posto que é chama" e são essas expectativas que mais causam infelicidades na maioria das pessoas, a "superestimação" sobre o outro.

    Um caso curioso aconteceu comigo certa vez (lááá qnd ainda tava na graduação) conheci uma pessoa "on-line" (é eu sei lastimável ¬¬)e agente começou a se falar diariamente e constantemente tanto por internet quanto por telefone até que um dia o encontro seria inevitável. Acontece que ele por medo, isso mesmo MEDO de não atender minhas expectativas, ou de me decepcionar de alguma forma não queria me conhecer realmente tipo ao vivo! .__.

    Nunca tinha vivido aquilo! uma pessoa com medo de me conhecer, com medo de não me corresponder a altura! Mas como se agente nem se conhece ainda disse!
    a loucura foi tanta que ele propôs termos apenas uma relação virtual e via skype onde tudo era mais perfeito!

    da pra entender o que to querendo dizer? ... enfim eu meio que o obriguei a me encontrar (sob ameça de não mais manter contato nem mesmo o virtual)mas a insegurança e "vontade" de me provar que ele era uma boa opção foi me desgastando! não dá! é como ja disse Clarice "até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro" e era frustante ver aquela pessoa agindo com medo, tentando ser perfeito ...

    sabe tudo isso, todo esse monte de baboseira que eu acabei contando aqui me fez lembrar de um poema da querida Adélia Prado, e acho que cabe perfeitamente com esses tema de frustrações perante expectativas (ao menos as amorosas):

    Eu quero amor feinho.
    Amor feinho não olha um pro outro.
    Uma vez encontrado, é igual fé,
    não teologa mais.
    Duro de forte, o amor feinho é magro, doido por sexo
    e filhos tem os quantos haja.
    Tudo que não fala, faz.
    Planta beijo de três cores ao redor da casa
    e saudade roxa e branca,
    da comum e da dobrada.
    Amor feinho é bom porque não fica velho.
    Cuida do essencial; o que brilha nos olhos é o que é:
    eu sou homem você é mulher.
    Amor feinho não tem ilusão,
    o que ele tem é esperança:
    eu quero amor feinho.
    "Adélia Prado - amor feinho"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido Rafael:

      Fico extremamente feliz em saber que os meus textos geram este tipo de manifestação dos leitores e fiquei impressionado com a qualidade do seu comentário. Como ele é extenso devo tentar respondê-lo a altura...rs

      1) O gato é hipnotizante e fofo (amo gatos, faço coleção de gatos de artesanato, imagine o blogueiro diante de centenas de gatos que vê diarimente pelo comércio sem poder comprar todos...hahahaha)

      2) Este papo realmente dá um belo barzinho, podemos juntar uma tchurma qq hora e marcarmos algo.

      3) Trabalho na área da saúde na parte administrativa e vejo a qtde de pessoas que fazem uso de medicamentos ansiolíticos mesmo. Eu fui diagnosticado com síndrome de ansiedade ano passado e passei momentos bem difíceis (mas evito ao máximo fazer uso de medicamentos deste gênero).

      4) Em relação ás expectativas só aprendemos a lidar com elas qdo adquirimos o sentido da brevidade das coisas. Vamos viver mais o que temos AGORA e esquecer o ontem e o amanhã, não é mesmo?rs

      5) Clarice me conquistou por completo depois de ler a biografia dela por Benjamin Moser, ela era soberba, triste, depressiva mas de uma lucidez impressionante. O histórico de guerra que ela vivenciou ainda criança deixou grandes sequelas na alma da escritora.

      6) Muito gratificante escrever para pessoas tão carinhosas.

      Um grande beijo e lindo fim de semana.

      Excluir
    2. Voce é realmente muito gentil

      1) Tbm gosto de gatos (oi? rsrs) só que não temos nenhum de porcelana em casa (mas temos um elefante hindu ) – tbm temos dois akitas brancos (esses são de vdd :D)

      2) Vdd o problema seria os quilômetros de distancia ¬¬

      3) Se for realmente preciso não tenha receio, a medicação quando adequada ajuda e muito! cuide-se e continue vivendo bem .

      4) Verdade, são poucos que se dedicam a VIVER no presente. A maioria aguarda para viver (sentir) mais tarde.

      5) Eterna diva! Contudo deve ser consumida em “doses homeopáticas” (assim como Nietzsche rs )

      6) :]

      Excluir
  2. sua reflexão é profunda e verdadeira ... viver o hoje e o agora nos impede de criarmos expectativas q normalmente nos escravizam ou escravizam o outro ... portanto viva a liberdade do aqui e agora sem meio termo ...

    o poema de Adélia q o Raphael colocou em seu coment é portentoso e diz muito do q vc nos trouxe aqui ...

    bjão aos dois

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bratz:

      Viver o AGORA é apenas o que nos resta, não é mesmo???rs

      O Rafael concluiu o comentário dele de forma brilhante e assertiva.

      Beijão meu querido amigo e lindo fim de semana.

      Excluir
  3. menino, menino, eu concordo com tudo que vc disse, e penso do mesmo jeito, mas o mais interessante é ver vc escrever isso aqui e quando eu falo a mesma coisa sobre a minha vida vc discorda... isso que eu não entendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foxx:

      Sorry, sorry...se antes o julgava de maneira equivocada, hoje o compreendo. Talvez só no convívio mais próximo a gente consiga captar o outro de maneira mais verdadeira e honesta. Hoje consigo lhe enxergar de maneira bem mais límpida e cristalina.

      Você é um querido do coração, nunca se esqueça disso. Beijooooos e lindo fim de semana.

      Excluir
  4. Você foi no X da questão. Expectativas em excesso, frustrações mil. Por isso que cada vez mais esfrio diante da vida. Da pessoa passional que fui para essa racional que sou hoje em dia, só posso dizer que prefiro mil vezes como sou. É certo que deixo de viver algumas coisas por excesso de razão, mas todas as escolhas na vida a gente perde e ganha algo, e nesse caso acho que o saldo é mais positivo.

    Quanto a relacionamentos eu tive muitos muitos, mas dois foram mais importantes, dois casamentos que tive. E te digo que o primeiro deu certo, apesar do cara ter me deixado por outra. Eu fui muito feliz com ele. Já o segundo começou errado, sem amor, tudo ao contrário, e eu não fui feliz com ele, apesar de ter ficado tempo demais para o pouco que tinha na relação. Então acho que o saldo é que conta nesse caso. Se o durante valeu a pena.

    Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dama:

      Que bom que consegui chegar no âmago das coisas, no epicentro dos sentimentos dos meus amigos. Bom saber que o que escrevo reverbera de maneira positiva dentro da alma de vocês. Sabe lindona, é uma ajuda recíproca tanto ajudo como sou ajudado e tenho certeza que isto que valida todo o processo de ter o blog.

      Beijos e lindo fim de semana.

      Excluir
  5. "Tenho certeza que quando nosso olhar muda diante de certos acontecimentos da vida, começamos a enxergar as coisas com mais clareza e honestidade."

    Olha, post maravilhoso. Muito bom meu querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Humberto:

      Fico muito feliz quando meus textos tem a capacidade de mexer com os leitores, uma sensação de dever cumprido mesmo...rs

      Linda semana querido. Abraços.

      Excluir
  6. Ah, e ótima semana pro sr! ;-D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Humberto:

      Ótima semana pra todos nós meu querido.

      Excluir
  7. Queria ver um comercial de margarina versão gay. :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raphael:

      A pessoa sempre com as ideias polêmicas...hahahaha.

      Abraços meu querido, recebeu meu email???

      Linda semana.

      Excluir
  8. Só digo uma coisa: disse tudo, meu hero-friend! E "expectativa"?!? Parei de trabalhar com "isso" faz anos... hahahaha! Hugzones!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred:

      Gracias muchacho....rs

      Linda semana mysuperherofriend.

      Excluir
  9. isso é um trabalho de amadurecimento, conseguir reduzir as expectativas e ansiedades. é algo a que todos deviam almejar pois torna a vida melhor.

    ResponderExcluir
  10. realmente a vida é um aprendizado, só que já aprendi demais, chega
    rs

    ResponderExcluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.