5 de ago de 2013

A DINÂMICA DOS SENTIMENTOS


Sempre defenderei o amor, independentemente do cordão dos pessimistas que insistem em dizer que ele não existe mais ou que não tem mais tanta importância lutarmos para o alcançarmos. Sempre fui um cara extremamente romântico e afetuoso, talvez em função de não ter conseguido lidar com certas frustrações emocionais da infância, externalizei isto para a vida adulta.

Como já disse anteriormente uma das minhas características mais marcantes seja eu ser um cara extremamente afetuoso quando eu gosto de alguém. Tanto afeto muitas vezes se confunde com carência e hoje percebo que certas atitudes motivadas pela carência me levaram a tomar atitudes meio inconsequentes em relação a algumas pessoas. Por que estou dizendo isto? Porque sei de um número considerável de pessoas que emendam relacionamentos uns nos outros (incluindo a mim mesmo no passado). Mal tem tempo de "curtir o tempo de luto" daquele grande amor e já começam a se relacionar afetivamente com outras pessoas em uma tentativa desesperada de mascarar a dor que estão sentindo. Uma grande burrice, cá pra nós, mascarar sua dor procurando sanar aquela falta do outro em outras pessoas que muitas vezes nem tem tanto a ver com você, não é mesmo?

Muitos talvez tenham uma dificuldade absurda de lidar com a solidão afetiva que os invade, buscam e pegam qualquer pessoa que possa suprir a necessidade de afeto que lhes faltam, ms isto é uma grande tolice. Não devemos usar os outros de band-aid com a intenção de aliviarem as nossas feridas. O que sangra precisa de tempo para estancar, o que está machucado precisa de tempo para cicatrizar, portanto dêem tempo ao tempo.

Em vários relacionamentos entramos acreditando que seremos felizes pra todo o sempre mas na maioria das vezes não nos damos conta que o amor também acaba se não soubermos nutrí-lo com bons sentimentos, com atenção e um extremo zelo. Amar o que é facil no outro é uma tarefa simples, mas e amar aquilo que nos incomoda, que nos é diferente? Começamos histórias achando que tudo será um conto de fadas, mas esquecemos que muitas vezes a vida não é uma historia bonita de cinema ou aquele romance açucarado que nossas avós liam esperando o bolo ficar pronto. O que fazer diante das adversidades que surgem pelo caminho?

A cultura vigente nos convida ao descarte. Tudo tem menos qualidade e durabilidade que antigamente: tvs, máquinas de lavar, liquidificadores, móveis etc etc...tudo é produzido em larga escala. Estragou? Joga fora, compra um modelo novo mais moderno e arrojado, mandar consertar pra que?rs Mas e com o amor? E com as relações afetivas será que é tão simples, assim? Não deu certo, jogo fora e sigo adiante? Arranjo um modelo melhor?

Descartamos o essencial e valorizamos o descartável e assim vamos vivendo cada dia mais pobres emocionalmente e mais cercados de objetos (de menor ou maior valor material).

Linda semana a todos. Beijos e grato pelo carinho de sempre.

16 comentários:

  1. Cada um tem seu tempo de luto. O meu é curto, pois a vida é curta. Mas tem gente que vive eternamente de luto e vira uma lamúria só... :)

    ResponderExcluir
  2. Douglas:

    Com certeza, com certeza..rs

    Linda semana querido. Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Concordo contigo Edilson... a cultura do descarte esta se estendendo aos relacionamentos...hoje mesmo tive um bate-papo com o pup...quer dizer amigo, sobre dar tempo ao tempo e lutar pelo que se deseja. Que quando os sentimentos são verdadeiros, tudo vale para preserva-lo, até mesmo receber um pouco ou aceitar períodos de seca, desde que se saiba que ele ainda existe.
    O revanchismo só machuca a nós mesmos.
    Carinho, cuidado e tempo.... esses tres itens, dão vida as plantas e ao amor.

    Beijos querido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Margot:

      Fico feliz que a postagem tenha suscitado uma discussão tão aprofundada porque realmente precisamos de mais profundidade nas coisas referentes aos sentimentos.

      Beijos lindona.

      Excluir
  4. Sim, o luto é necessário, eu vivo o luto do final do relacionamento até que ele se desfaça totalmente. Mas nem sempre foi assim, já tentei emendar um relacionamento no outro, mas na verdade eu não conseguia, só tentava... rs.

    Quanto ao descarte, vivemos na época do descarte amoroso mesmo, qualquer dificuldade e se passa para outra pessoa. Mas a questão é que todas as pessoas tem defeitos a serem relevados. Dizem estudiosos que essa cultura do descarte é mais presente aqui no Brasil, mas não sei dizer se isso procede.

    Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dama:

      Você é uma mulher inteligente, mas nem todas pensam assim porque o fantasma da solidão dá em muitas pessoas a sensação que são fracassadas emocionalmente.

      Beijos lindona.

      Excluir
  5. São armadilhas da vida - dita - moderna! Viramos MESMO uma sociedade de consumo. Quase nada fica. Perigo! Ótimo texto, hero-friend! Hugz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred:

      Né?rs Preocupante tudo isto..rs

      Abraços mysuperfofoherofriend.

      Excluir
  6. "curtir o tempo de luto" ... talvez não seja um "luto" talvez seja um tempo de repouso, de solidão. Porque também o amor precisa de repouso, pra que dessa forma possa se acalmar e manifestar-se outra vez.

    Talvez a solidão não seja a ausência de companhia/romance, mas talvez o momento em que nossa alma tem a liberdade de conversar se fazer ouvir e nos ajudar a decidir sobre nossas vidas.

    Assim como o amor é uma manifestação divina, a solidão é a condição humana. E ambos convivem (até certo ponto) de forma habilidosa para aqueles que entendem que ser feliz hoje é mais importante do que ser feliz pra sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Oxn:

      Seus comentários nunca me deixam espaço pra complementá-los graças a sua capacidade absurda de sintetizar as coisas..rs

      Abraços querido e muito obrigado por sua contribuição sempre tão generosa aqui no Lua.

      Excluir
    2. :]
      mas eu gosto qnd respondem, rs ..

      Excluir
    3. Rafael Oxn:

      Acredito que responder é uma atitude de carinho e respeito para com o outro, né?rss

      Abraços querido.

      Excluir
  7. Olá queridão!
    Que post excelente e ainda bem que têm pessoas que acreditam na importância de vivenciar o luto do término da relação que nem eu. Eu sempre preciso dar um tempo, ficar sozinha, me "limpar" no bom sentido da palavra para só depois poder voltar a viver uma nova relação e virar a página de verdade. :)
    Beijo, beijo
    She

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sheilinha:

      Tão gostoso quando você vem aqui, enche tudo com sua alegria e seus lindos depoimentos.

      Beijos sua linda.

      Excluir
  8. em relação a sentimentos, não vale mentir, ainda mais pra nós mesmos. gostei de sua comparação com a questão do descarte, também acho que hoje as coisas estão muito efêmeras.

    fechou com chave de ouro: 'Descartamos o essencial e valorizamos o descartável e assim vamos vivendo cada dia mais pobres emocionalmente e mais cercados de objetos (de menor ou maior valor material)'.

    e para você e o rafael oxn: luto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Railer:

      Nestas horas que acredito no poder de cura da escrita em minha vida...rs

      Grato pelo seu belo depoimento.

      Abraços querido.

      Excluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.