13 de out de 2010

ABCDÁRIO

Reclama de mim reclamo de você
O que antes era bonitinho hoje virou birra chateação
È a toalha molhada na cama
A pasta de dente que você apertou no lugar errado
Ligou a televisão alto e acabou me acordando
Eu esqueci de recolher as roupas no varal e a chuva redobrou meu serviço
Quero ler você quer sair para caminhar
Quero invadir cidades fantasmas
Você se contenta com esse velho apartamento
Quero dançar a noite inteira
Você só pensa em contar estrelas
Reclama da morte
Reclamo do tempo
Reclama da velhice
Reclamo do síndico
Reclama da ausência de carinho
Reclamo de não ter podido viajar
Reclama do meu cabelo
Reclamo do seu cheiro
Reclama do preço da gasolina
Reclamo das crianças
Reclama da política
Eu não quero ver o filme do Godard
Reclama da obra ao lado
Reclamo da poeira no carpete
Reclama da juventude transviada
Reclama das drogas no jardim
Reclamo do encanamento
Reclama da fila do banco
Reclamo do aumento dos remédios
Reclama que nunca mais fomos a praia
Reclama que não fazemos mais amor
Reclamo que nunca mais me procurou.
Você morre na sala.
Morro no quarto ao lado.

Obs: imagem extraída do Google Imagens

5 comentários:

  1. Eita.. eita.. relação é isto? Ai... medo! rs Bj

    ResponderExcluir
  2. As pessoas não se dão muita conta que reclamar não leva ninguém a lugar nenhum não é?

    Beijos Edilson!

    ResponderExcluir
  3. esse texto é teu?
    gostei!

    beijo pra ti

    ResponderExcluir
  4. Queridos:

    Rafa - Eu acabei de ler o livro da Lya Luft "Silêncio dos Amantes" e fiquei inspirado em produzir este texto...rs. Abraços querido.

    Serginho - Infelizmente muitos casais passam a maior parte do tempo reclamando da vida, mas não é o meu caso e nem do lov..rs. Abraços.

    Lobo - Com certeza. Reclamar não muda, o que faz mudar são as atitudes e objetivos. Abraços lobinho...rs.

    Rodrigo - Sim, o texto é meu. Tenho uma penca de textos MEUS...rs escritos aqui, dá uma procurada no começo do blog. Abraços.

    ResponderExcluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.