16 de set de 2012

CARÊNCIA AFETIVA

Parece que realmente Deus está sempre sinalizando caminhos para que eu encontre a paz tão almejada em minha vida. Recentemente estava me lamentando com algumas pessoas próximas do quão carente eu me sentia. Hoje, magicamente, mudando de canal, deparei-me com um programa da TV Novo Tempo chamado "Consultório Familiar". Eis que o tema é?rss "Carência afetiva". Meu Deus, que coisa mais apropriada, melhor impossível... rs Depois de assistir atentamente aos psicólogos e à apresentadora, eis aqui o meu resumo do que ouvi, espero que seja tão útil a vocês, como foi pra mim.

A carência afetiva vem de uma necessidade exagerada em querer, esperar, criar expectativa em relação às pessoas e às coisas. Uma necessidade desmedida de se sentir amado e querido. Uma vontade que todos lhe abracem e acolham, mas precisamos ter em mente que nem todas as pessoas estão aptas a lhe dar aquilo que você busca. Somos, naturalmente, todos uns carentes. Precisamos e desejamos a aceitação e amor de outras pessoas, mas o que fazer quando nos damos conta de que o outro não tem aquilo que tanto desejamos e buscamos? O que fazer com aquela inevitável sensação de frustração que se abate sobre nós quando percebemos que sempre ficará um espaço vazio e descoberto dentro do nosso coração? Neste exato momento, entra Deus. Ele ocupará um espaço que ninguém mais tem o poder de ocupar, onde ninguém está apto o suficiente para preencher.

Não existe amor perfeito. Não existe família perfeita, nem amigos. Você não é perfeito, e o outro também não. Sufocar o outro e a si mesmo esperando algo que deseja só aumentará seu sofrimento. O outro nunca lhe dará aquilo que deseja em sua integralidade. Você sempre sentirá uma falta, um vazio, isso é natural, é do ser humano. A angústia que lhe acompanha é aquele desejo inconsciente de ser amado, de ser querido, de fazer parte. Se o outro não é aquilo que idealizou e almejou, paciência, ninguém é capaz de ser perfeito, nem você, nem o outro.

O que fazer? Aprender a lidar com seus espaços, seus vazios, suas lacunas. Aprender a não esperar muito de alguém. Não esperar que o outro tire aquela angústia que você sente porque o outro não é Deus e não lhe trará o alívio almejado. Procure se conhecer intimamente. Identificar o X do problema, de onde vem a sua carência, por que a alimenta. Saia de casa, faça amigos, busque pessoas. Os relacionamentos em casa não vão bem com os familiares? Já tentou resolver? Não tem jeito? Conforme-se. Faça amigos, terapia, faça um trabalho de autoconhecimento e pare de olhar aquilo que não tem, não olhe para o lado ruim das coisas, mas valorize as boas.

Você tem dentro de si mesmo a chave que abrirá a porta para uma vida mais feliz e equilibrada. Não crie tantas expectativas, aprenda a compreender a si mesmo, e assim compreenderá o próximo. Se você é uma pessoa amorosa e carinhosa, continue sendo, só não culpe os demais por não serem aquilo que você esperava. As pessoas são como são, devemos compreender as limitações do outro e as nossas também. Todos nós, apesar de possuirmos as limitações e defeitos, devemos sempre nos valorizarmos e olhar pra dentro de nós mesmos e descobrirmos o nosso melhor, que às vezes fica escondido, recolhido e a sombra esperando que um dia consigamos nos enxergar e ver em nossa totalidade.

Beijos e linda semana. O amor começa em nós mesmos.

18 comentários:

  1. Bacana o texto...
    Essa carência pode ser uma fase, um momento, porém tudo passa, óbvio que com esforço interno, na tentativa de reverter a situação.
    Buscar sair com amigos, manter sempre um contato com alguém, evitando ficar sozinho.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, claro, com certeza. No fundo no fundo somos todos uns carentões, apenas uns demonstram mais que os outros...rs.

      Linda semana. Abraços.

      Excluir
  2. No fundo sempre vale aquela batida frase: o ponto de partida do amor e da felicidade é o amor que dedicamos a nós mesmos. O legal numa relação não é o fato de serem duas pessoas perfeitas, ideais... o que conta é justamente as incompletudes. É só assim que o amor sobrevive, amenizando as nossas carências.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isto. Pensamos exatamente da mesma forma. As pessoas carentes são pessoas que ainda não se descobriram e entenderam completamente e me sinto muitas vezes assim incompleto e em processo...rss

      Linda semana. Beijooo.

      Excluir
  3. sim ... incompletudes acariciadas pela cumplicidade q advém do amor ... simples assim ...

    bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilhoso isto "incompletudes acariciadas pela cumplicidade".

      Linda semana meu amigo filósofo e amado.
      Beijooo.

      Excluir
  4. Sabe qual é o problema deste seu texto: vc tem como pressuposto que todos tem amor (de algum lugar) então que a carência é sempre uma "necessidade exagerada", mas e se ela não for exagerada? uma criança que cresce sem carinho familiar, ela não é carente por precisar de carinho? é um exagero ela precisar de carinho?
    A questão do seu texto é que a carência aparece como uma possibilidade somente em relações que já existe carinho mas o carente quer mais. Vc exclui as pessoas que são sozinhas, como se elas não existissem, como se todas as pessoas no mundo tivessem exatamente as mesmas experiências.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, querido. O texto está realmente incompleto uma vez que não aborda os esquecidos, as crianças, talvez seja o mote para uma futura postagem sobre o sentir-se e estar sozinho. Tudo isto é muito complexo e demanda uma segunda mão de tinta, não é mesmo?rss

      Linda semana, obrigado pelas observações.Abraços.

      Excluir
  5. O mal do século é a solidão... já dizia Renato Russo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato meu querido, o mal do século é esta profunda mania de achar-se ilha e que não precisamos de ninguém pra viver, precisamos sim, de todos, de um jeito ou de outro, não é mesmo?rs

      Linda semana. Abraços.

      Excluir
  6. Legal o seu texto, atualmente estou em uma fase de carência afetiva eheheh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure trabalhar isto dentro de você, tente conectar-se com o seu íntimo, seja seu melhor amigo, mas também não esqueça de conservar bons amigos.

      Abraços e linda semana.

      Excluir
  7. Por essas e outras que eu amo (quase) todo mundo, me deixo amar por (quase) todo mundo e acima de todas as coisas me amo muito... hahahaha! Hugzones, my hero-lover-friend!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindoooooooooooooooooo...rs por estas e outras que te adoro...rs.

      Beijão e linda semana, mysuperherofriend.

      Excluir
  8. Carência afetiva... antigamente eu tinha muito, até demais... hoje to lidando
    Justamente resolver problemas e não transformar naquilo numa Tragedia...
    Procuro me preocupar mais com coisas e pessoas que me façam bem, e também comecei a mim afasta daquelas más que de alguma forma me colocava pra baixo (no meu facebook mesmo excluir um tanto de gente... kkkk)
    E seguir a vida, as vezes a vida pode ser boa, so basta olha para o lado bom de cada coisa...
    bem é só isso..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente querido. Precisamos sempre emxergar o lado bom das coisas mesmo.

      Linda semana. Abraços.

      Excluir
  9. edilson, este tema dá é muito assunto. rs
    você escreveu muito bem sobre ele.

    realmente a questão principal é saber lidar com a falta, com aquilo que ninguém vai completar em você. infelizmente muita gente busca uma pessoa que a complete, mas isso não existe. você tem que ser 'inteiro' pra poder estar bem consigo mesmo e, consequentemente, com outra pessoa.

    dá uma olhada nesse texto aqui.

    abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado querido, fico muito feliz qdo percebo que escreve coisas bacanas e úteis para as pessoas. Concordo com você em gênero, número e grau...rs.

      Abraço forte.

      Excluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.