21 de nov de 2013

QUAL A MEDIDA CERTA DE SE DOAR?


Muito se fala do egoísmo crescente que assola a Humanidade. Vivemos tempos de um profundo umbiguismo, onde muitos vivem para si mesmos, herméticos e o mais isolados possível. Não raro escutarmos: "meu carro, meu Ipad, meu livro, meu apartamento, meu cachorro, meu isto e meu aquilo". Nunca se deu tanto valor a primeira pessoa do singular. Não que eu ache que ser individualista seja ruim, porque não o é, viver pra si é importante, priorizarmos nossas reais necessidades, metas e objetivos e não perdermos o nosso foco é super válido, mas até que ponto cuidando tanto de nós mesmos, não acabamos nos esquecendo uns dos outros?

Talvez o melhor a fazermos seja encontrar um ponto de equilíbrio entre "o doar-se" em si, mas qual seria esta medida certa de doação? Até onde vai meu espaço de atuação e começa o do outro? Qual o limite que separa minha vida da seguinte? Ser individualista em demasia é ruim, mas também viver muito a vida do outro me traz a reflexão que estou sendo omisso ao me ocupar com o alheio em detrimento de mim. Acabo esquecendo de cuidar das minhas coisas e interesses a partir do momento que me aproprio da dor de alguém que estimo/amo e deixo de organizar e solucionar pendências da minha própria vida.

Li algo recentemente que achei muito pertinente citar nesta postagem, algo mais ou menos assim: "Quando vi você sofrendo, fui socorrê-lo, esqueci da minha dor e fui cuidar da sua". De fato é uma frase muito forte e impactante, mas até que ponto ao a analisarmos friamente não encontramos um grande equívoco: quem pediu sua ajuda???rs

Vivi recentemente uma experiência idêntica ao que diz respeito a frase citada e posso afirmar sem sombra de dúvidas: certifiquem-se que o outro lhes pede ajuda claramente porque se não incorreram no grave erro que cometi. O fardo do outro é do outro e continuará sendo. Muitas vezes por um excesso de amor que possamos nutrir por determinadas pessoas acabamos nos apressando em socorre-las sem ao menos ter havido um pedido de socorro real.

Tudo isto me faz pensar sobre a problemática da medida certa da doação. Até que ponto devemos nos doar e muitas vezes até nos machucarmos em prol de outras pessoas?

Beijos e um excelente fim de semana a todos.

24 comentários:

  1. Se doar (ui) é bom demais... mas como tudo nessa vida: precisa dosar, nzé? Afinal, também merecemos algumas "doações"!!!
    E suar - sem ir pra cadimia - é minha especialidade... hehehe! Hugzão, hero-donator-friend!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred:

      Concordo totalmente com você, precisamos dosar e tb que a haja uma troca.

      Abraços mysupersuadorherofriend....kkkk

      Linda semana.

      Excluir
  2. Doar sempre ... em todos os sentidos ... plenamente ... rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bratz:

      Com restrições...rs

      Beijos meu amigo e linda semana.

      Excluir
  3. só acho que é preciso tomar cuidado para não se anular nessa história de querer se doar demais ao outro.
    vale reler aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Railer:

      Tudo dentro de certos limites, nada demais e nem de menos, né?rs

      Linda semana querido.

      Beijo.

      Excluir
  4. É no mínimo interessante perceber que algumas pessoas cobram de você o recebimento de afeto, mas são as primeiras a não se esforçar para oferecer também. Querem sua atenção, seu carinho, mas não saem da zona de conforto para retribuir você com um afago ou uma atenção.

    Tenho uma máxima na vida que é : “Você pra mim, é problema seu!”

    Olhando de fora pode parecer egoísta mas na vdd não é! Sou uma pessoa que acredito fortemente no desapego e com isso tbm respeito as ações dos demais. Assim, por mais que eu me compadeça da situação do outro, por mais que eu queira que a as atitudes dela sejam melhores e diferentes eu não posso viver a vida dela!

    Claro que isso não significa que não posso ou não quero disponibilizar ajuda, carinho e atenção, mas sempre deixando claro que as atitudes serão dela bem como a resoluções dos seus dilemas.

    Dessa forma entra a frase “você pra mim, é problema seu!” e a doação fica menos intensa, fica menos “apegada”. Sem apego = Sem melancolia = Sem sentimento de pena! A ordem é desocupar preocupações. Filtrar emoções

    Dizem que "é dando que se recebe" sim concordo. No entanto, é importante a ressalva de que também é preciso entender o que cada pessoa pode lhe oferecer, sem criar falsas expectativas que podem gerar frustrações. Acho que é ai que mora o equilíbrio entre se doar demais ou não aos outros. Feito isto, sinta-se livre e sem culpas para manter perto de si as pessoas que realmente façam sentido em sua vida.

    Uma boa maneira de voltar a encontrar o ponto de equilíbrio é praticando o amor-próprio. Isso não significa que você não amará ou ajudará. Na verdade, somente então, você pode amar/ajudar, porque então o compartilhar é possível - e sem nenhuma condição, sem nenhuma expectativa.

    eu acho :]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Oxn:

      Você e seus comentários maravilhosos e super bem elaborados hein....rs

      Linda semana querido.

      Beijo e grato pelo carinho de sempre.

      Excluir
  5. O ruim é que a pessoa pode soar mal agradecida, mas na verdade ela só tem direito ao seu próprio espaço, não é? E é sempre necessário pedir licença para adentrar o espaço do outro, não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foxx:

      Respeitar os limites é regra primária pra engressarmos em qualquer tipo de relacionamento, né?rs

      Linda semana querido.

      Beijo.

      Excluir
  6. Você é dada mesmo. :)

    Mas quando há amor, a doação é instintiva e inevitável. Quando precisamos pedir ajuda ou afeto, é hora de repensar a relação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas:

      A doação faz parte de mim...rs

      Beijo e linda semana seu bobão...rs

      Excluir
  7. Se doar incondicionalmente é coisa rara hoje em dia. Como você mesmo disse, o individualismo tomou conta da sociedade. Pensar somente no "eu" e no "meu" faz parte do cotidiano do povo. Agora achar o meio, o ponto certo, o equilíbrio da doação é difícil. Por gostar ou amar demais, muitas vezes passamos dos limites a tal ponto que esquecemos que existimos, que também temos sentimentos e precisamos que alguém esteja disposto a se doar para gente. Eu acredito plenamente que para uma relação seja de sucesso, a balança do dar e receber tem que estar equilibrada. Não pode estar pendendo de um lado ou do outro, mas os dois lados tem que estarem na mesma medida. Sem demasias ou frugalidades a relação é construída com bases fortes e rígidas, com possíveis perca usos que poderão causas rachaduras mas nunca sua destruição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Israel:

      A palavra chave é moderação...rs

      Linda semana querido.

      Beijo.

      Excluir
  8. As pessoas andam muito egoístas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ro Fers:

      Andam mesmo e não é de hoje...rs

      Linda semana querido.

      Beijo.

      Excluir
  9. O mundo um dia ainda se afoga no seu próprio egoísmo.
    Bjs
    Insana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito...nem preciso dizer mais nada depois disso, né?rs

      Linda semana.

      Beijo.

      Excluir
  10. Não é mais fácil , mas é infinitamente mais nobre. Talvez as pessoas prefiram o caminho mais fácil...
    Bjs, lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wair:

      Verdade queridão, nobre e difícil nos doarmos em meio a tanto egoísmo.

      Beijo e linda semana.

      Excluir
  11. Oi, querido.
    Creio que a forma ideal de se doar, é sempre incondicionalmente, desde que seja recíproco.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinicius:

      Sure baby, sure.

      Beijo querido.

      Excluir
  12. Excelente texto, querido! De fato, quando nos entregamos demais ao outro muitas vezes invadimos sua intimidade e nos esquecemos de cuidar dos nossos próprios interesses. O umbiguismo, que você apropriadamente citou acima, me parece uma das causas de tudo isso. Quando colocamos nossa individualidade acima de qualquer coisa, nos esquecemos das dores alheias. Atrelado a isso, as vezes usamos essa ferramenta para não ajudar ninguém deixando " a vida" se encarregar das dores alheias. Ou seja, só podemos "resolver" os males do outrem quando há de fato possibilidade para isso, ou pelo menos um pouco de ousadia. Nesse tocante, lembro-me do saudoso Mandela, pois sua histórica morte trouxe a tona algo bem parecido com o que falei há pouco: a necessidade de transgredir a vida alheia e esquecer da própria para que o outro tenha um pouco menos de dor em suas vidas. Infelizmente, o preço para isso é alto e nem sempre todos são lembrados pelos são feitos, como será o líder africano.

    ResponderExcluir
  13. Seu texto me deu uma excelente ideia para o meu próximo post. Obrigado por isso e desculpe a ausência. Ela não é proposital, juro! ;)

    ResponderExcluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.