6 de dez de 2012

O MAIOR ESPETACULO DA TERRA ESTÁ NO BRASIL!

A postagem de hoje é um relato apaixonado de Pierre (nosso ilustrador e revisor) que foi ao show MDNA em sampa e deixa aqui para vocês queridos leitores do Lua suas impressões acerca do show. Espero que gostem e apreciem a postagem, ele a fez com muito carinho pra vocês.

Beijos.
 

A turnê Blond Ambition (1990) foi aquela que deu ao mundo a imagem mais emblemática de Madonna. O figurino de Jean-Paul Gaultier, um corselete dourado, seios em formato de cone, surgindo por debaixo de um terno de homem. Agora, para a MDNA Tour, Gaultier inverte a situação e sobrepõe uma indumentária masculina — calça e camisa — com apenas a estrutura de seu lendário corselete, desta vez em verniz preto. Mas não foi apenas essa auto-homenagem que Madonna vestiu em sua grandiosa passagem pelo Brasil, esta semana: estavam ali no palco alguns (poucos, mas marcantes) hits do passado, o sexo e a religião como agente provocador, um breve discurso em defesa das minorias. Seu entourage abrangeu inclusive o próprio filho, Rocco, e o namorado francês, Brahim Zaibrat, ambos excelentes dançarinos.
Para o maior espetáculo a baixar em terras tupiniquins em 2012, fui bem cedo a São Paulo para me encontrar com uns amigos. Todos havíamos comprado o ingresso da pista Premium, aquele que contorna o palco. Quatro anos atrás, eu também tinha ido ver Madonna neste setor (na época, apenas chamado “Vip”) e fiquei muito, muito perto, só que infelizmente não levara câmera para fazer o registro. Agora, não querendo perder uma segunda chance, levei a máquina para captar as fotos que vocês veem nesta postagem.
Apesar da ótima companhia, as horas de espera pelo show foram infernais devido ao calor, o sol escaldante que não dava trégua. Nossa sorte foi que minha amiga Samanta teve a ideia de levar um guarda-chuva daqueles gigantes, ajudando (e muito) a filtrar aqueles raios ultravioletas de tirar qualquer um do prumo. Se não fosse por isso...
Quatro e pouco da tarde, já estávamos dentro do Morumbi, ao redor do palco, a uns 7, 8 metros. Ainda assim, senti que estava meio longe do chão que Madonna pisaria mais tarde. Houve um ensaio de mais ou menos uma hora (emocionante, pois nunca assistira a um de seus ensaios). Durante ‘Vogue’, insatisfeita com alguma coisa, ela mandou parar tudo três vezes. Perfeccionista ao extremo! Para ‘Express Yourself’, ‘Girl Gone Wild’ e ‘I Don’t Give A’ foi tudo de uma só vez. Bravo! Mesmo sendo um ensaio, ela recebeu uma salva de palmas dos ali presentes.
Percebendo que muitas pessoas não aguentam o habitual empurra-empurra dessa área, comecei a me aproximar conforme alguns saíam ou passavam mal devido ao clima sufocante. Um sai, outro se mexe para comprar um copo d’água (5 reais!!), fulano não quer mais ficar perto porque não gosta de ser empurrado... A cada mudança na distribuição do público, eu ia me esgueirando até chegar perto da grade. E foi assim que, ao longo das quase 6 horas de espera dentro do estádio, consegui ficar pertíssimo do palco, com apenas 3 cabeças a minha frente! No máximo, a 1 metro da Miss Ciccone! Fiquei triste por não ter sido sorteado para o famigerado Golden Triangle, onde cerca de 300 fãs sortudos ficam numa área praticamente dentro do palco, como uma espécie de poço... Mas tudo bem.
O show dispensa grandes descrições ou comentários, pois a mídia inteira já falou da grandiloquência e tecnologia empregadas. Os shows de Madonna estão ficando cada vez mais técnicos, isso sim; se as últimas 4 excursões dela já eram assim, esta 9ª ficou ainda mais tecnológica com os telões faraônicos de LED, muitos deles saindo fragmentados do piso, a fim de levar a estrela às alturas durante os trechos mais impactantes da apresentação.
Alguns reclamaram do repertório, por deixar de fora muitos hits fabricados nas 3 décadas de carreira de Madonna e por incluir várias faixas de seu último álbum, MDNA, que aliás também virou o nome da turnê. Entretanto, deve-se pensar que ela praticamente não fez nenhuma divulgação do CD. Foram três videoclipes (bem simples, se comparados aos do passado), uma performance no Super Bowl e uma ou outra entrevista para redes de televisão. Mais nada! Nem capa de revista, nem aparições em programas de auditório ao redor do mundo... Nada. A turnê se tornaria o mais caro e ambicioso projeto de divulgação de um álbum já feito pela material girl, portanto enchê-lo com as canções do disco é bastante coerente. Paciência quem não gostou. Por ser famosa pela ousadia, ela pode tudo, até mesmo resgatar um B-side esquecido de 'Music' chamado 'Cyber-raga', adaptado de um texto da cabala, e emendá-lo a 'I'm a Sinner', quando menciona diversos santos católicos. Mais ecumênico impossível!
Aos 54 anos, Madonna surge no palco não apenas como uma estrela de sucesso, com mais altos do que baixos. É praticamente uma instituição, uma lenda viva, um estilo de vida. Todo mundo está ali para vê-la de perto, como eu graças a Deus consegui fazer em duas ocasiões, estar diante de uma pessoa que se tornou a encarnação mais elevada do showbizz desde a década de 80, gerando incontáveis imitadoras ou pretensas substitutas, mas sendo a única portadora legítima do título de “Rainha do Pop”.
 

Texto e fotos: Pierre Willemin

9 comentários:

  1. realmente é um show inesquecível e imperdível. pena ela não ter cantado like a virgin nem love spent, como ela fez aqui no rio e no resto do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Railer:

      Madonna sempre é uma excelente pedida, ainda está dando um banho de talento e versatilidade, né?rss

      Abraços querido e grato pelo carinho de sempre.

      Excluir
  2. Eu simpatizo demais com a Madona, e já fui fã dela lá pelos anos 80/90, numa época que me identificava mais com o estilo de música que ela fazia. Mas mesmo assim ainda hoje paro para ver e adoro a Madona, acho que se existem todas essas cantoras hoje em dia fazendo show pelo mundo, foi porque ela abriu as portas, ela foi uma das pioneiras nesse tipo de show. E como a que abriu as portas, merece todo meu respeito.

    Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dama:

      Maddie é camaleônica, cada tour é uma cantora surgindo, ela se reinventa, ela está há 3 décadas no topo, é uma mulher e tanto mesmo...rs.

      Beijos e linda semana.

      Excluir
  3. Viva a titia então! Parabéns pelo post, meninos! Hugzones my hero-waltermercadônico-friend! Hehehehe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred:

      Vivaaaaaaaaaaaaaaaa...rs

      O post tá lindo mesmo, obra do Pi...hehehe.

      Abraços, mysuperherocamaleonicofriend.

      Excluir
  4. ah bem q eu qria ter ido...

    assim: vc tem ilustrador e revisor? que chiq!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foxx:

      Não fui, mas conto com a chiquetéssima postagem do Pi, eu não tenho mais saco e nem saúde pra ficar tostando no sol por 12 horas...afeeeee...rs

      Abraços, querido e grato pelo carinho de sempre.

      Excluir
  5. Queria MUITO ver o show dela...pena que não vai ter aqui em Recife :(

    ResponderExcluir

O Lua agradece sua visita, volte sempre.